Sobre

Olá a todos!

Nós, do self-made money, temos como missão trazer até si conteúdos informativos que o ajudem a tomar as melhores decisões financeiras. 

Escolhemos o nome “self-made money” por acreditarmos que a determinada altura das nossas vidas, temos de colocar o nosso dinheiro a multiplicar-se “sozinho” e a trabalhar por nós (e para nós), enquanto nos dedicamos ao nosso propósito, à nossa família/amigos ou simplesmente aos nossos hobbies.

Bem sabemos, que a fórmula não é simples, mas também não é impossível. Gastar beminvestir melhor e ganhar mais, são no nosso entender os pontos essenciais para conquistarmos a nossa liberdade financeira (total ou parcial).  

 

Se pretende aumentar os seus conhecimentos sobre finanças pessoais e investimentos financeiros, está no sítio certo.

Seja bem-vindo ao self-made money!

 

 

Sobre a autora

 

Olá, eu sou a Paula Duarte, a pessoa que idealizou este projeto. Todos os conteúdos desenvolvidos e apresentados neste website são da minha autoria, e refletem a minha experiência profissional, académica e pessoal. 

Acredito que a melhor forma de me conhecer é saber por ordem cronológica quais foram os principais acontecimentos da minha vida. 

 

1987

Ano em que nasci na cidade de Ovar.

 

2002

Com o 9.º ano a terminar, tive de decidir rapidamente qual a área de estudo que devia prosseguir no secundário. A pergunta que mais me faziam nessa altura era simples: “gostas mais de Português, Matemática ou Ciências?” Sem grande margem para dúvidas respondi matemática, e assim matriculei-me no 10.º ano na área de ciências económicas.

 

2005

Depois de concluído o secundário, e de todo o esforço feito durante esses três anos, mudo-me para a cidade do Porto, para estudar Economia na Faculdade de Economia do Porto (FEP). A escolha foi fácil, queria entrar no melhor curso de Economia, na melhor Universidade do país 😉. Para muitos a resposta poderia não ser tão óbvia, mas para mim não existiam dúvidas, era aquele curso, aquela universidade que sempre sonhei. E essa foi sem dúvida a melhor escolha que fiz na minha vida. Decorridos vários anos desde o primeiro dia de aulas do curso, ainda hoje sorrio quando penso na alegria que foi para mim poder frequentar aquela universidade.

 

2010

Depois de alguns percalços e de umas disciplinas deixadas para trás, em 2010, termino finalmente o curso de Economia. Não foi uma aluna brilhante, mas também não fiz muito má figura 🙂 …podia ter sido pior. Pelo meio, em 2008, fiz Erasmus numa universidade do norte da Alemanha, e também essa foi uma experiência que me enriqueceu bastante, tanto em termos pessoais como académicos.
Nesse mesmo ano, em 2010, e depois de ter concluído o curso de Economia, começo a trabalhar no departamento financeiro de uma multinacional francesa, do setor automóvel, nomeadamente em controlo de gestão. A experiência não foi a melhor, e durante o tempo que estive nesse projeto, comecei a questionar o meu futuro profissional. Não me imaginava muito tempo a trabalhar num horário tão rígido e num ambiente tão formal. Sentia que precisava de voltar a ser quem eu era, não me reconhecia naquele emprego, nem na vida que esse emprego me proporcionava. Foi então nessa altura que comecei a dar os primeiros passos na bolsa de valores, como forma de conseguir iniciar um novo projeto e deixar o emprego que naquela altura não me fazia feliz.
O primeiro contacto que tive com investimentos foi através dos CDF, e usando alavancagem. Como devem calcular, apesar de ser essa a forma mais comum dos investidores começarem, normalmente é desastrosa. Este tipo de negociação requer um perfil de investimento próprio, e de muitos conhecimentos. Só uma percentagem muito baixa de investidores consegue efetivamente lucrar com esta estratégia.

A minha passagem pelo day trade foi curta (e no final não foi assim tão desastrosa) sendo que em 2012, aventurei-me numa nova experiência profissional.


2012

Descontente com o trabalho que tinha, e na pouca perspetiva que o nosso país apresentava para os jovens licenciados, em 2012 fui trabalhar e viver para Luanda, Angola, onde desempenhei funções de diretora financeira, numa multinacional portuguesa. 
Estive em Luanda durante 3 anos, e acredito que foi a experiência pessoal mais intensa que vivi até hoje. A insegurança que sentia quando saía à rua, as grandes diferenças culturais entre Portugal e Angola, a responsabilidade que tinha em termos profissionais, fizeram com que eu nunca mais voltasse a ser a mesma pessoa. Comecei a ver o mundo de uma maneira diferente, e acredito que sem essa experiência eu não seria a pessoa que sou hoje. Durante o tempo que estive em Angola, sem família e sem amigos, tive a oportunidade de me conhecer melhor. Vivi e trabalhei com pessoas de outras faixas etárias, e com realidades pessoais e profissionais muito distintas da minha, e isso fez com que esses anos fossem os de maior crescimento em termos pessoais.

Também durante o período que estive em Angola, fui fazendo alguns investimentos na Bolsa de Valores, mas sem saber muito bem porque linhas me cosia. Alguns investimentos correram bem, outros nem por isso 😊 Mas, ficou muito claro para mim que se queria ganhar dinheiro com a bolsa, tinha de deter os conhecimentos (ou parte deles) que os melhores investidores detém.  

 

2015

Em 2015, e depois de ter alcançado os objetivos financeiros que tinha delineado para a minha experiência em Angola, decidi regressar a Portugal. A adaptação ao mercado de trabalho português foi difícil, pelo que decidi criar a minha própria empresa, ligada à área de consultoria e apoio à gestão de PME. A empresa surgiu em 2016, e desde então que me tenho dedicado a apoiar os negócios de várias empresas e empreendedores.

 

2018

2018 foi um ano de grande viragem na minha vida. O interesse pelos mercados financeiros voltou a despertar, mas desta vez com bastante mais convicção. Comecei numa busca interminável (e para a vida) de conhecimentos que me permitissem começar a planear a minha independência financeira. Li e continuo a aprender com os melhores livros sobre finanças e investimentos, e também de desenvolvimento pessoal (porque isto está tudo ligado). Já fiz alguns cursos sobre investimentos, e pretendo continuar a nutrir esta minha paixão. Em 2019 iniciei o meu portefólio de investimentos que me irá fazer chegar à tão desejada independência financeira.

 

2020

Em 2020 decidi criar o projeto self-made money, de forma comprometer-me ainda mais com a minha independência financeira, e também para ajudar outros investidores nos seus percursos.

Espero poder continuar a atualizar esta página com mais novidades sobre este projeto, e que este website lhe seja muito útil na sua jornada.

 

Obrigada pelo tempo que dispensou a ler um pouco da minha história.

 

[Em construção…]