ConceitosInvestir melhor

Juros Compostos – Tudo o que precisa saber!

Os juros compostos (ou efeito composto) é um dos principais conceitos do investimento na bolsa de valores. Compreender a diferença entre crescimento linear e crescimento exponencial, dos seus investimentos e poupanças, vai permitir-lhe tomar melhores decisões, para promover o crescimento do seu capital.

Mas afinal o que são os juros? Os juros são o preço a pagar por antecipar um determinado consumo. Quando compra um automóvel a crédito, está a antecipar esse consumo, uma vez que na data da compra não tinha ainda a totalidade do valor para realizar a compra a pronto pagamento. Assim, contrai um crédito para conseguir antecipar esse consumo, e paga um determinado valor (juros) a quem lhe disponibiliza o montante que necessita.

O contrário acontece quando faz um investimento na bolsa de valores, compra obrigações, ou realiza um depósito a prazo. Neste caso, é compensado por atrasar o seu consumo, i.e., coloca o seu dinheiro à disposição de terceiros, e por essa razão terá de ser compensado por isso. No caso da bolsa de valores, os ganhos não se designam por “juros”, mas sim, valorização dos títulos/ações que possui e eventuais distribuições de dividendos (lucros).

 

(Para saber mais sobre dividendos, poderá ler este artigo: O que são os dividendos de uma empresa?)

 

Como já compreendeu o conceito de juros, vamos voltar ao assunto principal deste artigo: Juros Compostos.

 

Juro Simples vs. Juro Composto

É importante distinguirmos estes dois tipos de juros. Focando apenas no lado dos investimentos, o juro simples corresponde à remuneração de uma determinada aplicação, durante um determinado período, considerando o montante inicial investido. O juro é constante de período para período.

Imagine que investe 1.000€ num determinado produto financeiro, durante 20 anos, a uma taxa de 8% ao ano. Assim, o valor do juro simples por cada período (ano) será calculado da seguinte forma:

 

Ano 1: Juro simples = 1.000€ X 8% = 80€

Ano 2: Juro simples = 1.000€ X 8% = 80€

Ano 3: Juro simples = 1.000€ X 8% = 80€

No final do primeiro ano terá então 1.080€ (capital inicial (1.000€) + juros (80€)), no segundo ano terá 1.160€ (capital inicial (1.000€) + juros ano 1 (80€) + juros ano 2 (80€)), e assim sucessivamente.

 

A diferença fundamental entre o juro simples e o juro composto, é que este último considera o montante de juros obtido no período anterior (ano) para calcular a remuneração do período atual. Ou seja, capital e juros vão se acumulando, fazendo com que o juro de cada período vá aumentando sucessivamente, porque a base de incidência, aumenta anualmente.

Utilizando o exemplo anterior, para calcularmos qual o valor dos juros nos primeiros anos, se optássemos por reinvestir os juros do primeiro ano, na mesma aplicação, temos então:

 

Ano 1: Juro Composto = 1.000€ x 8% = 80€

Ano 2: Juro composto = 1.080€ X 8% = 86,40€

Ano 3: Juro composto = 1.166,40€ x 8% = 93,31€

Analisando os cálculos anteriores conseguimos perceber que no caso dos juros simples, o nosso capital irá aumentar ao longo do tempo de forma linear, ou seja, crescerá 80€ todos os anos, e no caso dos juros compostos o nosso capital crescerá não a um ritmo constante, mas sim a um ritmo crescente.

 

Como calcular o capital acumulado com juros simples e juros compostos

Para percebermos o incrível impacto dos juros compostos nos nossos investimentos, precisamos de alargar o nosso horizonte temporal. O tempo é o fator determinante para que a magia dos juros compostos possa acontecer. Vamos analisar novamente o exemplo anterior, para percebermos qual o valor do nosso capital ao final de 20 anos, para o caso de juros simples e de juros compostos.

 

  • Fórmula de calculo juros simples: Cn=C×(1+k×n) -> Capital ano 20 = 1.000€ X (1 + 8% X 20) = 2.600€
  • Fórmula de calculo juros compostos: Cn=C×(1+k)^n -> Capital ano 20 = 1.000€ X (1 + 8%)^20 = 4.660,96€

 

(em que: Cn = Capital Acumulado, C = Capital Inicial, n = n.º Anos, k = Taxa de Juro Anual)

 

A magia dos Juros Compostos

Representação gráfica do capital acumulado: Juro Simples vs. Juro Composto.

 

Tomando novamente como suporte o exemplo anterior, a diferença no crescimento do capital acumulado acentua-se com o passar do tempo, porque o crescimento do montante por aplicação de juros simples forma uma curva linear enquanto que o valor do montante por aplicação de juros compostos forma uma curva exponencial.

Se até ao ano número oito, a diferença no capital acumulado não é significativa, a partir desse ponto é evidente o efeito que os juros sobre juros têm no desempenho do investimento. No quadro abaixo poderá analisar o que acontece ao capital acumulado, ano após ano.

 

Tabela representativa do capital acumulado ao longo dos anos.

 

Conclusões

A conclusão fundamental que retiramos desta análise é a importância de sermos investidores pacientes, e de colocarmos o fator tempo a trabalhar a nosso favor.

Quanto mais cedo começar a investir, mais cedo irá ver a magia dos juros compostos a trabalhar para si.

Precisa de dicas de poupança ou para começar a investir? Acompanhe este blog, todas as semanas trago-lhe novos conteúdos, que o ajudarão a gastar bem, ganhar mais e investir melhor 😊

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *